quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

CONAPA não apoia documento técnico do ICMbio.

Em mais um capítulo da difícil relação entre a sociedade e os Órgãos Ambientais, aconteceu ontem 19/02 no ICMbio uma reunião para tratar da adequação do decreto que criou a APA. O CONAPA (Conselho Consultivo da Área de Proteção Ambiental do Cairuçu) resolveu não apoiar o documento desenvolvido pelos técnicos do ICMbio para ser encaminhado a Brasília:

- Não podemos compactuar com essas medidas autoritárias onde a voz da sociedade e seus anseios são sufocados por medidas enfiadas goela abaixo na população de Paraty. Queremos que as soluções, que vão afetar diretamente a população, partam dela mesma, afirmou Jr. Rameck, Secretário de Meio Ambiente.

O Prefeito Casé também se mostrava decepcionado com a postura do ICMbio:

- Todos sabem do meu esforço para conduzir essas questões ambientais ouvindo a população e negociando com os órgãos da área. Começo a perceber que o tempo passa e a coisa não evolui, não posso ficar três messes para dragar um rio que pode causar enormes estragos e colocar em risco muitas pessoas. Isso tem que ter um fim, estou pensando seriamente em decretar o estado de emergência no Município, disse o Prefeito.

O momento mais tenso da reunião foi quando a fiscal Adriana da Esec Tamoios chamou o proprietário da ilha Catimbau (Cacá) de criminoso. O fato gerou protestos de todo o Conselho que imediatamente solicitou que a declaração fosse colocada em ata:

- Isso serve como exemplo para mostrar como os Órgãos Ambientais lidam com as questões do Município. O Cacá ocupou aquela ilha antes do Decreto e foi tirado de lá com sua família por policias armados. Será que estamos de volta ao período ditatorial? Vamos nos movimentar para ir a Brasília conversar com a Ministra do Meio Ambiente e o Presidente do ICMbio. Não vamos ficar de braços cruzados enquanto o Município sucumbe nesse mar de indefinições. Informou o Presidente da Câmara, Luciano Vidal

Assessoria de Comunicação.


Nenhum comentário: