terça-feira, 6 de setembro de 2011

Praça polêmica

As obras de restauro e requalificação da praça da Matriz vêm causando uma polêmica entre a Casa Azul, que realiza o projeto com o aval da Prefeitura e uma parcela da população, que rejeita o projeto pela descaracterização do antigo logradouro, que faz parte do patrimônio histórico de Paraty (v. a praça é nossa, 24/8). O vereador Vidal solicitou ao Executivo informações sobre esse projeto e sobre a viabilidade de uma audiência pública, conduzida pela Câmara, para propor soluções ao problema. Veja o requerimento.

15 comentários:

Adriana Cruz disse...

O vereador é um representante político que opera no domínio dos municípios devendo trabalhar em função da melhoria da qualidade de vida da população, elaborando leis, recebendo o povo, atendendo as reivindicações, desempenhando a função de mediador entre os habitantes. É nosso direito e dever cobrar dos vereadores uma atitude de modo a apresentar proposições e sugerir medidas que visem o interesse coletivo, a usar a palavra de autoridade constituída em defesa do município e de seus habitantes. Numa Democracia representativa o vereador é responsável por buscar no seio da sociedade as preocupações coletivas. Ele deve trazer para o debate na Câmara questões relacionadas à cultura, educação, segurança pública, saneamento, limpeza, saúde, turismo, meio ambiente, entre outros temas de interesse da cidade e dos cidadãos.
Representar, Legislar, Elaborar o Orçamento, Fiscalizar e Equilibrar o Poder. Essas são, enfim, as atribuições das Câmaras Municipais e dos Vereadores.
Em relação às obras iniciadas a revelia do conhecimento e desejos da população, parabenizo o Vereador por sua atuação e preocupação. Para a realização dessa obra a população não foi devidamente esclarecida, consultada, tendo sido pega de surpresa com seu início. Do projeto a população não tem ciência e as informações disponíveis são fragmentadas visando tão somente à aprovação de um único projeto.
Por se tratar de obra em um “símbolo de nossa cidade”, no coração do Bairro Histórico, com o qual o paratiense mantém laços de identificação, amor e lembranças, acredito que a população tenha que ser amplamente consultada; afinal é a população quem usufrui de tal equipamento público. Ainda que talvez essa obra não fosse prioritária, hoje e após o início das obras é necessário dela nos ocuparmos, no sentido de evitar a completa transformação da praça sem que a população se manifeste de forma transparente e correta. As perdas que podem advir dessa obra sem que a voz do povo seja ouvida podem ser bastante profundas e irrecuperáveis. A Audiência Pública existe pra isso. A “Democracia” tão custosamente alcançada nos deu essa prerrogativa, e, podemos e devemos exercê-la.

Elaine Lourenço disse...

Esta obra muito influenciará em nossos cotidianos, pois a mesma descaracteriza o conjunto arquitetônico do Bairro Histórico. Sendo assim, parabenizo o vereador pela preocupação e colaboração, já que uma grande parcela da população não está de acordo com a obra.

Anônimo disse...

Exmo Sr Vereador Luciano Vidal

Na qualidade de cidadã, moradora e admiradora dessa cidade que encanta o mundo, estou desolada com a forma que estão conduzindo a obra que está prestes a acontecer na "NOSSA PRAÇA". Não é uma praça qualquer, é a PRAÇA de uma cidade absolutamente especial, uma cidade em que tudo acontece em volta da PRAÇA... Todas as expressões artísticas, culturais e religiosas tem a PRAÇA DA MATRIZ como referência. Digo isso para reafirmar que a população dessa cidade deveria ter sido ouvida sobre o destino que lhe aguarda... Pleiteamos o Título da Patrimônio Cultural da UNESCO e pensam em modificar um dos nossos principais patrimônios... Não sou contra a um projeto que vise a conservação da arquitetura e de algumas melhorias, mas transformá-la em uma PRAÇA de concreto é desastroso, porque sua beleza irá desaparecer, sua história irá desaparecer.. Nesse sentido, acho que seria de bom tom uma Audiência Pública onde todos possam se colocar e chegar a um veredito justo. A Casa Azul tem ótimos projetos realizados em prol da comunidade paratiense, mas nesse projeto creio que ela errou na forma e no conteúdo...
Obrigada! Eliana Lustosa

Maria Teresa disse...

Discordo completamente da forma como a Casa Azul está conduzindo esta obra. Tenho a sensação que estão enfiando goela a baixo da população uma obra que ela não sabia da existência. A partir do momento que uma organização se vale de recurso público para mudar uma coisa pública, há que se consultar quem está pagando a conta; é mais legal e correto, caso a Casa Azul não saiba disto. Não acredito que somente 12 pessoas possam representar 37.000 habitantes e, que de uma maneira geral nem sabiam que estavam sendo representados pelos mesmos. Que legitimidade tem um grupo de 12 pessoas escolhidos sem a população ter o menor conhecimento? Me sinto invadida, dentro da minha própria casa. Amo a praça como ela é; e, se fosse consultada a respeito de uma possível mudança nela, minha reposta seria NÃO e continua sendo. Mesmo porque como todo mundo já falou e postou em boa parte da rede que tenho acesso, tem coisa mais importante pra fazer.

Anônimo disse...

Parabéns vereador, bom trabalho.

Limax disse...

Como já disse e volto a dizer... do que adianta tornar a Praça da Matriz "acessível" se os caiderantes e idosos terao ainda muita dificuldade pra chegar até a Praça? E o que dizer de outros pontos na cidade... Vcs já viram o tamanho d valeta que tem em frente de um dos principais centro comerciais de Paraty (Shopping Martins)? E a Prefeitura...? Tente um cadeirante ir até a Prefeitura!!! Na boa Casa Azul, isso é o que minha mãe chamaria de "coar mosquito e engoli camelos!"

Parabén Vidal

Fernando Noronha disse...

Não sei se o Exmo. Vereador possa fazer alguma coisa sobre a já em andamento reforma da Praça da Matriz, uma vez que a Casa Azul, IPHAN e Prefeitura, representado por um pequeno grupo de pessoas, estão, por motivos ignorados, ignorando a vontade geral da população e fazendo de tudo para tal assunto não tomar vulto a ponto de obrigar a paralisação da obra.
Mas sei que de fato, muita gente está incomodada com o projeto que muda a configuração da praça e da forma com que ela esta sendo conduzida e que pelo simples fato de estar usando recursos levantados pela Lei Rouanet, um único processo contra, obriga-se a paralisação da obra e congelamento dos recursos financeiros.

Eu particularmente não sou contra a reforma e manutenção de NOSSA PRAÇA desde que não se altere suas principais características.

A forma assimétrica, retirada de muretas de pedra, uso de concreto e saibro e estilo de jardinagem não combinam com uma praça de centro de cidade histórica e de estilo provinciano.

A alegação de remeter a um desenho de projeto antigo não tem fundamentos exatamente por descaracterizar a atual praça.

Se assim for, deveríamos transformar então a praça para sua condição original "um cemitério"

Apóio a reforma sem descaracterização e uso de materiais modernos, apóio sua jardinagem e projeto de conservação e vigilância.

Apóio quem é contra o abuso de imposição da reforma atual.

Apóio a construção de acesso para cadeirantes, não só na praça como de seu acesso até ela.

Apóio o Exmo. Vereador se for a favor do povo que o elegeu e que ele legalmente o representa, fazendo algo que viabilize a paralisação das obras até se obter um consenso.

Fernando Noronha

Anônimo disse...

...De repente nos deparamos com uma placa, onde estava a planta de uma obra de requalificação (reforma, restauro ou outras palavras usadas) da Praça, intrigada perguntei a várias pessoas sobre o projeto, mas ninguém sabia informar mais detalhes. A demonstração de estranheza era compartilhada entre todos. O tempo passou e só havia metade da placa, pois foi destruída e até um certo dia em que não vi mais placa nenhuma na praça. Sinceramente acreditava que a placa na praça era apenas uma apresentação prévia de uma discussão acerca do restauro daquele espaço e não somente um aviso do que aconteceria, já que foi isso que acontece. No início do mês de agosto de 2011 ao passear pelo centro me deparei com alguns trabalhadores cercando a praça, dias depois vi na rede social facebook uma publicação sobre petição pública para a paralisação da obra. Em conversas na mesma rede social e com amigos nos intrigamos com a falta de comunicação com a comunidade paratiense sobre a realização desta obra, não sabíamos nada do que era realmente a proposta do projeto.
Ao compartilhar indagações similares formamos naturalmente um grupo que desejou maior conhecimento sobre o que estava acontecendo.
E FOI POR ISSO, que no dia 17 de agosto a Associação Casa Azul, proponente do projeto, convidou a população (com divulgação precária) para dar esclarecimentos. Esta reunião chamada pelo Jornal de Paraty na última publicação de Audiência Pública, não pode ser caracterizado como tal, pois pelo que pude observar a divulgação concentrou-se no centro da sede do município um dia antes do acontecimento. A Praça da Matriz, como o próprio nome já diz é a PRINCIPAL de nossa cidade, ou seja, todas as representações do município e toda a população deveria saber e ser convocada para participar de uma reunião pública. Na reunião do dia 17 quando alguns cidadãos faziam questionamentos obtinham como respostas vagas falas de outros projetos desta Associação, mas o propósito da população é entender onde está a transparência neste projeto. Como cobrar participação política efetiva dos grupos sociais locais sem dar o respaldo para que ela ocorra? A divulgação e acessibilidade devem ser sempre pensadas e repensadas. E neste caso, onde o proponente do projeto coloca como justificativa para sua efetivação o apoio da população e o encaminha para o Ministério da Cultura, deveria ter um documento que comprovasse isto.
(cont.)

Anônimo disse...

(cont.)

O projeto de 2006 não pode utilizar as reuniões do grupo Gestor Mar de Cultura, acontecidas posteriormente, como justificativa de apoio da população. Porque não houve uma apresentação pública do projeto de Restauro e Requalificação da Praça da Matriz? Uma placa, um e-mail, umas reuniões não suficientes. Aliás, como exposto na Casa da Cultura pela Associação Casa Azul nenhum e-mail de sugestão foi recebido por parte da população. Mas, no segundo encontro um rapaz levou impresso o e-mail que enviou em dezembro de 2010 para a instituição e não obteve resposta. Se de fato aconteceu a ausência de e-mails, então este fato seria um passo para pensar e mudar a maneira de dialogar com a população. O público-alvo do projeto da Praça é a população local. Neste caso, não seria importante pensar em maneiras para a efetiva participação da população? Para que os mesmos (os de sempre, os poucos, os próximos) sujeitos "engajados" e partícipes não decidam pelos mais de 37 mil moradores, que acabam por não ter voz.
É muito fácil utilizar um grupo para justificar uma obra que vai muito além de fatores como acessibilidade. Pelo que entendi nas duas reuniões na Casa da Cultura ninguém se opõe à este fator.
Eu, cidadã-eleitora-paratiense, gostaria de ser ouvida e ser representada pelos nossos vereadores, que nós escolhemos para tal função. Aonde está comprovado o apoio do povo a este projeto? Se houver, por favor, divulguem!!! Como até agora não apareceu nenhum documento, que seja cobrado isto, que foi um dos fatores determinantes para aprovação no MinC e para o apoio dos patrocinadores indiretos no projeto.

Sobre o projeto, gostaria de saber realmente:
O que é?
Pra quem é?
Como é?
De quem é? Porquê?
Qual a necessidade?
De quem é essa necessidade?


Onde está a participação da população? Já que a PRAÇA É NOSSA!

Desde já agradeço ao vereador, pois acredito que terá eficácia ao representar a vontade e necessidade do povo paratiense.
Abraços, Patricia Vargas.

Anônimo disse...

Parabéns Vidal! Por ser sempre o representante do povo e não deixar ser comprado como existem politicos por ai.
Tereza Malvão

Movimento Amamos Paraty disse...

Podem acessar o blog do Movimento Amamos Paraty
o endereço do blog é
http://amamosparaty.blogspot.com/
lá encontrarão as informações e notícias sobre esse ato de cidadania contra essa reforma de nossa Praça da Matriz.

e-mail do movimento: amamosparaty@hotmail.com

Podem mandar emails para nós com comentários.

Anônimo disse...

Vereador Vidal,

Venho pedir sua atenção para esta obra, pois grande parte da população não gosta do projeto proposto, não foi consultada e sequer está sendo respeitada, pois este projeto deveria ter passado por audiência pública, e todos nós sabemos que isso não ocorreu de fato.
Não sou contra nenhuma reforma em espaço público, mas temos sempre que ter o cuidado de tais obras serem feitas por quem possui o direito e dever de realizá-las, ou seja, 1 º setor, governo, prefeitura e Câmara dos vereadores, afinal, vocês são nossos representantes, foram eleitos de forma clara e legítima, de acordo com as leis que regem nosso sistema, o 3º setor pode ajudar a população, mas sempre que solicitado ou permitido pelo povo.
O projeto foi enviado em 2006, e nele consta que a população aprova o projeto, mas este projeto nunca foi mostrado para a população, a reunião realizada no dia 17/08/2011 foi feita para apresentar o projeto que já estava em andamento, esta reunião não foi uma audiência pública, como foi mencionado no Jornal de Paraty, não foi uma reunião para perguntar para a população a opinião dela, foi apenas uma apresentação. O senhor vereador estava presente e acredito que pode perceber que todos os presentes eram contra o projeto.
Participei de outras reuniões e o único ponto que todos acordavam era a acessibilidade, ninguém se opõe a acessibilidade, acredito que este é o único ponto positivo do projeto.
Espero que nossos representantes tomem as medidas necessárias, parem esta obra e consulte a população, mexer na Praça da Matriz de Paraty é mexer na memória de cada Paratiense.

Gabriel Ramos Costa

Anônimo disse...

Meus parabéns ao Vidal, Vereador com V maíúsculo, um dos poucos políticos em que se pode confiar, nesta cidade e em quem eu me orgulho de ter votado. Espero que ele acolha esta causa da praça, porque é um escândalo que nosso patrimônio histórico acabe na mão de aventureiros que nem são da cidade.

Anônimo disse...

Quero a Praça com cara de Paraty e não cheia de concreto e sem vegetação!!!

João Paulo de Souza

Anônimo disse...

QUERO AUDIÊNCIA PÚBLICA DE VERDADE PARA DISCUTIR SOBRE A PRAÇA DA MATRIZ DE PARATY.

MÁRCIA.